Todo estudante encontra dificuldades em algum momento de sua carreira escolar. A boa notícia é que existem hoje diversas tecnologias criadas para ajudá-los, e também aos professores e gestores das instituições de ensino. Na verdade, pode-se afirmar que nunca foi tão fácil aprender, desde que se saiba usar os recursos disponíveis.

A tecnologia vem transformando os sistemas educacionais há vários anos, mas algumas soluções emergentes são capazes de provocar uma verdadeira revolução na forma como ensinamos e aprendemos. Mesmo com as restrições impostas pela pandemia e as limitações financeiras que todos os países, em maior ou menor grau, estão enfrentando, vale a pena analisar essas novas tecnologias e perceber como elas podem melhorar – e muito – a interação aluno/professor/escola:

Automação

Esse conjunto de sistemas e procedimentos técnicos já é parte indissociável do mundo em que vivemos. Em todos os setores, encontramos recursos automatizados que proporcionam melhores experiências à medida em que as pessoas se acostumam a usá-los. A educação não foge a essa tendência. Com automação dentro e fora da sala de aula, os estudantes têm mais chance de acessar conteúdos de forma organizada. Currículos podem ser planejados. Aulas, agendadas para os horários mais convenientes a cada grupo de alunos.

E, claro, um bom sistema de automação – envolvendo computadores, monitores, projetores, redes sem fio e conexões robustas de banda larga – é a base para a adoção do segundo item deste roteiro.

Inteligência Artificial (IA)

A partir de um sistema eficiente de automação na escola, é possível explorar todo o potencial dessa nova tecnologia em benefício de estudantes e professores. Com o desenvolvimento de softwares e algoritmos, conseguimos aplicar o conceito ‘smart’ a praticamente todos os procedimentos dentro de uma escola. Em vários países, já são de uso comum recursos de IA, por exemplo, no compartilhamento de conteúdos: o mesmo material pode ser acessado indistintamente em qualquer dispositivo, inclusive a própria TV que temos em casa. Pesquisas sobre qualquer tema ganham muito mais dinâmica quando se recorre a aplicativos que nos ajudam a encontrar, em alguns segundos, novas fontes de consulta.

E vale lembrar que isso é tão útil para um estudante do ensino fundamental quanto num mestrado ou pós-doutorado. Recursos de IA também são valiosos no trabalho de planejamento curricular e na preparação das aulas, tanto presenciais quanto online. Professores e gestores conseguem otimizar seu tempo e transmitir os conteúdos de forma sistematizada, além de poder monitorar o acesso em tempo real.

Aprendizado Adaptável

O conceito adaptive learning não é novo, mas vem sendo aprimorado com a ajuda da IA. Tecnicamente, refere-se a um conjunto de práticas educacionais em que os conteúdos são transmitidos aos alunos conforme suas necessidades e comportamentos. Num sistema AL eficiente, consegue-se gerenciar o nível de aprendizado de cada aluno tendo em vista suas peculiaridades. Estas são relacionadas a fatores como capacidade invididual de reter informação, nível de concentração durante os trabalhos, áreas de seu interesse, grau de conhecimentos adquiridos previamente e até mesmo sua realidade familiar.

Evidentemente, esse é um padrão ideal de atendimento escolar, raramente atingido. O que a tecnologia proporciona são ferramentas de acompanhamento, controladas pelo professor, para se chegar o mais próximo possível desse ideal. Há diversas pesquisas nesse campo, revelando que os sistemas podem ser readaptados (daí o termo adaptive learning), através de algoritmos, para ampliar os níveis de interação e atingir melhores resultados no aprendizado.

Realidade Virtual

Uma das tecnologias que mais despertam interesse atualmente em vários setores de atividade, a Realidade Virtual tem a magia de permitir a criação de “mundos virtuais” dentro dos ambientes de ensino. Na verdade, a denominação se aplica a vários tipos de simulação audiovisual em que os participantes interagem com o ambiente, com auxílio de dispositivos de áudio, vídeo e comunicação. Na educação, os benefícios da VR (da sigla em inglês) já são largamente documentados nos países desenvolvidos, até porque é uma tecnologia ainda cara. O princípio básico é o da imersão como elemento motivador do estudante, permitindo que ele processe maior quantidade de informação com menor carga cognitiva.

Na prática, significa a possibilidade de oferecer os conteúdos em formatos mais interativos – numa aula sobre História, por exemplo, o aluno é “transportado” para o palco dos acontecimentos, em vez de apenas ler a respeito ou ouvir as palavras do professor. Estudos já realizados demonstram que quase toda atividade de ensino pode se beneficiar dessa tecnologia emergente. Entre suas vantagens no aprendizado, destacam-se: melhor senso de espaço, maiores ganhos nos processos de “aprender fazendo”, níveis mais altos de engajamento, estímulo à criatividade, capacidade de adaptação a alterações no ambiente e aprimoramento das habilidades sensoriais e visuais.

*Condensado de dois estudos publicados nos sites AxiomQ e Xd.Adobe, especializados em ensino tecnológico.

Fonte: businesstech.net.br